Tags

, , , , , , , , ,

39 anos depois e a série continua sendo queridinha de muitos

Sábado passado a Maju chegou aqui com uma maleta enorme entupida de filmes. Enquanto escolhia qual iriamos assistir a Ro mencionou que viu algo sobre ‘A Feiticeira’, e eu logo perguntei se era sobre o seriado. Quando a Maju disse que tinha a primeira temporada completa, já disse que queria emprestado. Lembro desse seriado da época em que foi reprisado pela Rede TV. Comecei a vê-lo porque minha mãe era fã (assim como de Jeannie é um gênio). Ontem e hoje já assisti o primeiro DVD quase completo (faltam dois episódios). Estou me divertindo demais e não dá vontade de parar de ver (vai bater tristeza quando terminar a primeira temporada, tenho que providenciar as próximas com urgência). Foi emocionante ver o primeiro episódio (adoro a abertura), de quando Samantha casa-se com Darrin e ele ainda nem suspeita que ela é uma feiticeira. A primeira aparição de Endora (mãe de Samantha) na lua-de-mel dos dois é hilária. Quero todas as temporadas pra ontem.

Uma das partes da abertura do seriado

 

Início


A série americana A Feiticeira (título original ‘Bewitched’) começou a ser exibida no ano de 1964 (mais precisamente 17/09) em preto e branco, ganhando cores a partir da terceira temporada. Já em seu primeiro ano atingiu o segundo lugar de audiência nos EUA. Teve durante seus anos de exibição algumas mudanças no elenco. A mais significativa foi de Darrin Stevens (Dick York), marido de Samantha (Elizabeth Montgomery) que precisou deixar a série por motivos de saúde e foi substituído por Dick Sargent. O encerramento de A Feiticeira deu-se em 1972 (com um total de 248 episódios) numa época em que perdia audiência para a sitcom Tudo em Família. Em 1977 uma série chamada Tabatha foi lançada para mostrar como estavam os filhos de Samantha, mas durou apenas 13 episódios.

Samantha e a atrapalhada tia Clara

Enredo

Darrin, Sam e a filhinha Tabatha

Darrin Stephens (Dick York) é um publicitário que trabalha na agência ‘McMann & Tate’ e tem uma vida normal até casar-se com Samantha (Elizabeth Montgomery), uma jovem muito bonita. Mas sua vida sofre uma reviravolta ao descobrir que Sam é uma feiticeira. Darrin quer que Sam não pratique mais suas ‘magias’ e tente levar uma vida como fazem os simples ‘mortais’. A família de Sam não aceita que ela viva sem o uso da magia, e sua mãe Endora ( Agnes Moorehead) é a mais revoltada, e passa a atormentar o novo genro. A família de Samantha é composta pela mãe, o pai Maurice (Maurice Evans) que é separado de Endora, a velha, atrapalhadíssima e super querida tia Clara (Marion Lorne) que só faz mágicas erradas, o Dr. Bombay, tio Arthur e a prima Serena (também interpretada por Elizabeth Montgomery).

Gladys Kravitz a vizinha bisbilhoteira

Sam e Darrin tinham como vizinhos o casal  Kravitz. O sr. Abner era um aposentado que quando não estava vendo televisão, lia o jornal. Sua esposa Gladys vivia bisbilhotando a casa dos Stephens, sempre desconfiada de que havia algo de errado com eles. Em 1966 nasceu Tabatha que tem poderes como a mãe, e em 1969, Adam que é mortal como o pai.

Endora, a mãe de Sam

A Feiticeira no Brasil

Matéria sobre a série em um jornal brasileiro

Começou a ser transmitida em 1965 pela extinta TV Paulista que passou as duas primeiras temporadas. Já em 1968 a TV Excelsior exibiu a terceira temporada e depois a TV Record transmitiu a quarta e quinta temporadas. Na década de 1990 a Warner Channel exibiu a série, em 2000 a Rede TV! mostrou as duas primeiras temporadas colorizadas por computador.

Filme

Em 2005 um longa ‘A Feiticeira’  foi lançado nos cinemas e tinha Nicole Kidman no papel principal. O filme não teve uma adaptação fiel da série de TV e decepcionou quem realmente gosta da história original. O orçamento do longa foi de US$85 milhões.

Cena do filme 'A Feiticeira' estreado em 2005

Fontes: InfanTVRetrô TV