Tags

, , , , , , ,

Entre meus horários livres sempre procuro ler algum livro. Dando um intervalo ao volume único de ‘Senhor dos Anéis’ comecei  ‘As memórias do livro’, que minha irmã trouxe da biblioteca do colégio. Inicialmente não pensava que iria gostar tanto da história, que desfiou um enredo muito bem costurado e surpreendente. Super recomendo a leitura, e já estou doida pra experimentar as outras obras de Geraldine Brooks.

‘Geraldine Brooks prova que todo mundo é uma página.’ The New York Times

São duas horas da manhã em Sydney quando, Hanna Heath, uma conservadora de livros, é acordada por um telefonema que lhe traz excelentes notícias. A Hagadá de Sarajevo, raro manuscrito judeu medieval desaparecido em 1992, durante a guerra civil, foi reencontrada na capital da Bósnia. E Hanna foi a escolhida pelas Nações Unidas para estudá-la e restaurá-la para uma exposição. A Hagadá é uma obra-prima única, que nasceu e sobreviveu por séculos apesar do anti-semitismo e até mesmo da própria doutrina judaica. Para começar, aquele exemplar ricamente iluminadodo livro que recontava o Êxodo para as familias judaicas na celebração do Pesach não devia ter sido criado. Afinal, contrariava cânones religiosos da época, que proibiam qualquer tipo de ilustração. Só isso já fazia da Hagadá uma raridade. E propunha um de seus maiores enigmas: por que e por quem fora feita?

Geraldine Brooks

Mas o fato de ter sobrevivido a séculos de perseguições e intolerância religiosas na Europa trazia outros mistérios. Como atravessara a Inquisição Espanhola? O que siginificavam anotações do século XVII em suas páginas? Como se salvara da perseguição nazista? Excitada com a maior oportunidade de sua carreira, Hanna  chega a Sarajevo cheia de perguntas. Qual seria o estado do livro? Como fora salvo? Por que mãos passara até chegar às dela? Por que um bibliotecário muçulmano tinha se arriscadio tanto para mantê-lo em segurança? À medida que se aprofunda no examedas páginas em pergaminho envelhecido, Hanna luta também para solucionar seus problemas pessoais. Envolve-se com o  muçulmano   responsável por ocultar a Hagadá na última década e esforça-se para melhorar seu relacionamento com a mãe, uma neurocirurgiã respeitada que despreza a filha por ter trocado uma carreira médica pelos livros. Da encadernação carcomida da Hagadá, Hanna retira pistas minúsculas que começam a lhe dar as respostas que tanto buscava. Uma mancha de vinho, cristais de sal, um pêlo branco, uma asa de inseto… Cada um desses pequenos detalhes leva Hanna e os leitores a um lugar distante, povoado de personagens únicos cuja história se mistura à da Hagadá. As memorias do livro é uma jornada inteligentee bem construída rumo ao passado, para desvendar os segredos de um livro. Um romance marcante e erudito. com o ritmo cativante de um mistério inesquecível que só uma autora com o talento da vencedora do Pulitzer, Geraldine Brooks, poderia criar.