Tags

, , ,

PERDOAR A SI MESMO

Quando nosso coração nos faz sentir culpados, ainda assim podemos ter paz diante de Deus. Ele é maior do que nosso coração e sabe todas as coisas. 1 João 3:20, New Century Version


Compreendemos o perdão de Deus; chegamos até mesmo a perdoar os outros; mas, quando se trata de perdoar a nós mesmos, somos como aquele credor da parábola: rigorosos e austeros com nós mesmos. Tornamo-nos nosso próprio juiz e nos sentenciamos de maneira inflexível.
É como naquelas histórias em que aparecem monstros que estão hibernando e, quando menos se espera, despertam e saem destruindo tudo o que encontram pela frente. Eles se assemelham mais ou menos a esses sentimentos de culpa por alguma coisa que fizemos e da qual ainda não nos perdoamos. Quando menos esperamos, o “monstro” desperta e aparece para ameaçar nossa paz e tirar nossa alegria.
Pergunte a psicólogos, pastores, capelães de penitenciárias: Qual é o grande fardo que as pessoas levam? Isso mesmo: não conseguem se esquecer do mal que fizeram.
Será que temos coragem de olhar para o passado, chamar o pecado pelo nome, sem querer nos inocentar do que fizemos? Temos a dolorosa convicção de que Deus esperava outra coisa de nós? Ao ficar frente a frente com aquilo que fez, você está pronto para pedir perdão e perdoar a si mesmo?
Se insistirmos em não perdoar a nós mesmos, estaremos demonstrando acreditar que o poder dos nossos pecados é maior do que o poder de Deus. Que a morte de Jesus e Sua expiação não foram suficientes para nós. Que Ele não pode fazer tudo. Que necessita da minha ajuda.
De que pecado ou erro você ainda não foi capaz de se perdoar? Por que não se entregar à graça de Deus e permitir que Ele o libere desse peso, e dizer: “Senhor, ajuda-me a aceitar Tua graça”? Nossa convicção deve ser: “Deus me perdoou e pela Sua graça eu também me perdoo.”
Hoje você pode orar: “Senhor, me disseste que estou totalmente perdoado, e hoje eu admito que nunca me perdoei por __________________ (mencione o pecado que está sempre voltando à sua mente). Agora mesmo eu escolho não apenas crer no que disseste, mas também perdoar a mim mesmo. De uma vez por todas, quero me sentir livre deste fardo.”

Fonte: CPB